A+

A-

Atendimento de Segunda a Sexta das 08:00 às 11:30 e das 13:30 às 17:00 horas.

(51) 3789.1311 / (51) 3789-1559 e Fax: (51) 3789-1546

Atendimento de Segunda a Sexta - Feira
08:00 às 11:30 e das 13:30 às 17:00 horas.

(51) 3789.1311 / (51) 3789-1559
 Fax: (51) 3789-1546

NOTÍCIAS

Voltar

Granizo causa prejuízos superiores a R$ 800 mil

0000-00-00

Granizo causa prejuízos superiores a R$ 800 mil

Município decreta situação de emergência após tempestade

Crédito: Felipe NeitzkeAgricultores tiveram prejuízos nas lavouras, casas e galpões. Bozzetti teve mais de 200 telhas danificadas

Um temporal de granizo na segunda-feira à tarde provocou prejuízos em comunidades do interior de Boqueirão do Leão.

Conforme a Defesa Civil do município, os danos somam mais de R$ 800 mil. Um laudo para decretar situação de emergência é formulado e será apresentado hoje. Pelo menos duas famílias precisaram se abrigar em casa de familiares.

O granizo destruiu lavouras de milho, feijão e tabaco. Levantamento inicial aponta 60 casas, 130 estufas de fumo e 400 hectares de milho atingidos. “Não teve telha de 4mm que resistiu às pedras de gelo. Percorremos o interior para dar suporte e contabilizar as perdas, principalmente no setor agrícola”, revela Leandro Peterson, coordenador da Defesa Civil.

As comunidades mais atingidas são Colônia São Paulo, Pedras Brancas, Linha Moisés e São Roque.

No interior de Progresso, danos também na região de São Luiz. O produtor Volmir Gonzatti contabiliza os prejuízos na lavoura de fumo. Dos 40 mil pés que cultiva, cerca de 15 mil foram danificados. “Mesmo que o tabaco esteja assegurado, o valor não cobre as perdas. Nesta fase final de colheita, as melhores folhas estavam na roça”, lamenta.

Em Pedras Brancas o agricultor João Bozzetti calcula cerca de 200 telhas danificadas. “Passamos a noite secando os móveis da casa e cobrindo com lona para evitar maiores prejuízos. No galpão, boa parte do fumo seco molhou e corre o risco de apodrecer”, diz Bozzetti.

Duas hectares com milho também tiveram perda total. A safra de feijão está comprometida. “São situações que não esperamos. É um fato triste e ainda tentamos ver a melhor forma de voltar à normalidade”, desabafa (fonte: Jornal a Hora Regional)